Páginas

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

O machismo no universo dos casamentos II

Ontem comecei a falar sobre um assunto que me incomoda muito na dinâmica dos casamentos: a suposição de que as tarefas da casa são de responsabilidade única da mulher. Hoje vou falar sobre o que realmente motivou essa discussão sobre o machismo no casamento, um convite aos padrinhos. 

Estava procurando idéias para fazer o convite dos meus padrinhos e me deparei com a seguinte aberração:


Provavelmente a intenção era que o texto fosse engraçado. Vamos analisar por partes por que essa piada, além de extremamente sem graça, é muito machista. 

"Ouvir quando a esposa tiver algo a reclamar do marido e dizer que ela está errada; Ouvir quando o marido tiver algo a reclamar da esposa e dizer que ELA está errada".  - Padrinhos, aprendam, quando houver desentendimento entre o casal, a mulher SEMPRE estará errada. Se ela tem algo a reclamar do marido, ela está errada. Se o marido reclamar dela, ela deve ter feito algo errado, só pode. Esse tipo de percepção da dinâmica do casamento é venenoso, pois coloca a mulher em uma posição de inferioridade. Além do que, a idéia de que se o marido se irritar com a mulher é ela quem está errada, é uma das principais justificativas da violência doméstica. Se a mulher apanhou é porque "deve ter feito alguma coisa", já que "ele tinha seus motivos". Precisamos parar com esse tipo de conversa. E isso inclui parar com essas piadinhas toscas. 

"Lembrar ao marido que ele é bem casado; Lembrar a esposa que ela é MUITO bem casada;" - Porque o valor do homem é muito maior do que o valor da mulher. A mulher jamais pode se esquecer de que sem esse "partidão" ela seria uma solteirona, por isso deve ser eternamente grata por esse homem ter aceitado se casar com ela. O que aconteceu com o romantismo de "os dois se completam", ou "são perfeitos um para o outro"? 

"sobretudo nos casos de combates armados" - Nem de brincadeira. Nem como piada assuma a possibilidade de que o casal possa se agredir fisicamente. Violência doméstica é algo muito sério. Dos dois lados, porque não é só mulher que apanha não. 

Eu não me considero parte da patrulha do politicamente correto, mas esse tipo de texto realmente me irrita. Qualquer alusão a casamento que não promova o respeito mútuo entre o casal, a vontade de crescerem juntos e o amor correspondido não serve pra mim. Não me faz rir, só me faz franzir a testa. 

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

O machismo no universo dos casamentos

Não vou discorrer longamente sobre feminismo X machismo. Acho que toda a mulher sabe o que a sociedade tradicionalmente espera dela e o quanto isso a faz sofrer. Vejo muitas noivas em seus blogs preocupadas em saber cozinhar para seus futuros maridos, saber arrumar a casa, lavar e passar. Essa preocupação é natural, mas não deveria ser centrada na "obrigação" da mulher em agradar o marido, e sim na obrigação de qualquer ser humano em manter uma casa organizada e saudável. Afinal, cozinhar, limpar, lavar e passar são itens de higiene e saúde.

 Eu me viro bem na cozinha, sei faxinar uma casa e não me importo nem um pouco com o trabalho, mas me recuso a carregar essas obrigações nas costas sozinha. Ainda quero aprender a cozinhar mais pratos, descobrir novas receitas, mas não para deixar o marido feliz, e sim para que nós dois tenhamos refeições gostosas e saudáveis em casa. E se meu marido estiver com muito trabalho e não tiver tempo de ajudar a limpar a casa, eu não me importo de fazer sozinha por um tempo. O que quero é poder contar com o mesmo tipo de ajuda caso seja eu que esteja sem tempo. E não é isso que eu vejo por aí, não só nos blogs, mas na sociedade. "Cuidar da casa" ainda é "coisa de mulher". E isso é injusto a partir do princípio em que a casa é responsabilidade de todos os que nela habitam. 

É claro que, caso o casal opte por um trabalhar fora e o outro ficar exclusivamente em casa cuidando de tudo, então já está claro no próprio arranjo quem faz o que. O que não quer dizer, de forma alguma, que o indivíduo que trabalha fora nunca vá lavar uma louça ou tirar o pó de uma estante. Nos dias de hoje, contudo, esse arranjo está cada vez mais raro. O "normal" são os dois indivíduos trabalharem fora, contribuindo igualmente para a renda da família. Por que não contribuir igualmente na limpeza e manutenção da casa também? 

Então, noivinhas, antes de se descabelarem por não saber cozinhar mil coisas, por ter dúvidas em relação a lavar roupas, etc, façam a pergunta mágica: e o noivo, sabe? Se ele não sabe, você não tem que saber! Aproveitem para descobrirem juntos! Eu sou a favor de que todo mundo deve ser independente, e isso envolve saber cuidar de si mesmo e de sua casa. Pensem nisso. 

sábado, 7 de dezembro de 2013

Tumblr: as piores fotos de noivado

Esse tumblr já está rolando há um bom tempo, mas só descobri agora e já estou amando. "Bad Engagement Photos" se dedica a colecionar fotos de noivado que por uma, ou várias razões, não são nada boas. O propósito fundamental do blog é zoar a industria de casamentos em expansão, que promove "tendências" como as sessões de fotos de noivado, bem como "fotógrafos" nada profissionais, que muitas vezes acabam transformando o sonho de alguns casais em verdadeiras tragédias fotográficas. Os comentários em cada foto são sempre sarcásticos e em geral muito engraçados, mas todos em inglês.

Separei as 5 tendências de fotos mais zoadas pelo Bad Engagement Photos, tirei algumas fotos postadas lá e acrescentei meus comentários, para vocês terem uma idéia do que se trata. Também vale como um alerta para que as noivas não caiam nessas armadilhas. As sessões de fotos de noivado são muito influenciadas pelo gosto dos clientes, mas a opinião do fotógrafo costuma contar muito. Então fiquem de olho, caso o fotógrafo sugira alguma pose de mal gosto, não aceite!

 E é claro, não deixem de visitar o tumblr e se divertirem com as presepadas desses noivos!

5 - Excesso de Photoshop / cor seletiva

O photoshop é uma ferramenta incrível, mas deve ser usada com cuidado. O erro mais comum é o excesso de tratamento na pele das pessoas, deixando-as com um aspecto plastificado, parecido com bonecos. Nos dois exemplos abaixo, percebe-se outro erro: o uso de photoshop para deixar a foto "mais artística". É claro que não funcionou.


Selecionar uma cor ou um objeto colorido para destacar em uma foto em preto-e-branco não é diferente nem artístico, é brega.



4 - Casal sensual

Por que alguém iria querer tirar fotos "sensuais" dessa forma? POR QUE?



3 - Casal "bem humorado" / piadas sobre homens detestarem compromisso

Ah, nada como um casal com senso de humor! E se a piada for sobre o homem detestar compromisso, então, melhor ainda! SÓ QUE NÃO!


Nossa, como vocês são engraçados, achei super criativo! #sóquenão



Essa deu a sorte grande, descolou um anelão de noivado e o noivo - coitado - agora vai ter que casar. Tá até chorando o pobrezinho....


Sim, não se enganem, estar casado é como estar em uma prisão. Aaah, como essa piada é sem graça!



2 - Trilhos de trem

Assim como o Bad Engagement Photos, eu também nunca entendi o apelo dos trilhos de trem para as fotos de noivado...


Porque deitar em uma ferrovia é super romântico, e nem um pouco depressivo/suicida.



1 - Machismo

E para finalizar, o pior tipo de fotos de noivado que existe: fotos carregadas de machismo.
Porque não há melhor maneira de começar um casamento do que colocando a mulher em seu devido lugar, aos pés do homem e abraçada a sua perna. Ugh, vontade de vomitar.



E nada como uma foto carregada de simbologia negativa. Porque é preciso deixar claro que ao comprar um anel de noivado, o homem também "compra" a mulher. E tudo o que ela é para ele está contido nessa pequena rodinha de platina e diamante. Mil vezes ugh! Noivos, se vocês amam suas futuras esposas, não aceitem tirar fotos assim!


E para completar, a campeã das péssimas fotos de noivado, a mulher aos pés do noivo no trilho do trem!


E aí, qual dessas "tendências" de fotos de noivado vocês mais detestam? Alguma delas seria aceitável para vocês?

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Casamento chegando

Tenho visto várias noivas blogueiras próximas ao casamento. Algumas até vão casar amanhã! Toda a sorte do mundo pra elas! Outras, como eu, estão contando as semanas e os dias, algumas mais nervosas do que as outras. Como sei que vocês gostam de saber dessa fase, vou tentar postar mais para contar como tem sido. 

Eu não estava nervosa, até ter um pesadelo horrível essa noite e acordar meio apavorada. Eu sou campeã de pesadelos. Quando sonho, acho que 8 em cada 10 sonhos são pesadelos. O da noite passada não teve relação com casamento, mas quando eu acordei, pensei no pouco tempo que falta e aí o nervosismo bateu. Até ontem eu estava mais de saco cheio do que nervosa. Sim, de saco cheio. Não aguentava mais pensar em vestido de daminha, em kit de banheiro, em equipe de limpeza, em contrato de gerador... Só queria que me deixassem em paz. Esse é o meu estado de espírito geral, mas quando eu conto os dias, aí fico mais pra nervosa do que outra coisa. 

Nesse domingo tenho teste de cabelo e ainda não decidi como eu quero! Socorro!


quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Um mês e os sonhos pré-casamento

Fiquei com vontade de postar hoje, mas estou meio sem assunto. O casamento está se aproximando e com isso o tempo para resolver as coisas fica mais curto. Ainda bem que faltam poucos itens. 

Eu sou do tipo que sonha muito, e agora que resolvi tomar melatonin pra dormir, mais ainda. E essa noite ainda sonhei que eu acordava e era o dia do casamento, mas ninguém sabia o que fazer porque não tinha dado para ensaiar! Pense nisso? Ainda bem que no meio do sonho eu mesmo me tranquilizei pensando "é só  todo mundo se divertir e pronto". E quando eu acordei eu ri muito. 

Eu não sei dizer se estou ansiosa. Para a festa em si eu não estou, mas para ter a minha casa com o meu marido, estou muito. Estamos começando a receber presentes. Muitas pessoas próximas tem sido super generosas conosco e nos dado presentes em dinheiro incríveis, quantias que eu nem imaginava, muito menos esperava. E mesmo o pessoal que está dando coisas mais simples, como liquidificador, está me fazendo feliz porque uma casa precisa de tudo, né? Não só de televisão, geladeira e coisas caras. 

Enfim, aqui vai a lista do que falta resolver:

- Definir o cardápio do buffet 
- Contratar a tenda do buffet
- Escolher a maquete do bolo
- Entregar as forminhas para a doceira
- Agendar e-session
- Preparar roupas e itens para e-session
- Preparar as lembrancinhas dos padrinhos
- Fazer o kit de banheiro
- Fechar o contrato da limpeza
- Fechar o contrato com os músicos da cerimônia
- Definir o penteado para testar no salão

Ufa, acho que é "só" isso. É pouco mas é muito, né? hahahaha 
E vamos que vamos!

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Hora da gravata: preciso avisar?

Hoje o post é rápido, é mais para pedir uma opinião. Eu nunca fui a muitos casamentos, e nenhum dos que eu fui teve a hora da gravata. Meu noivo quer ter, por isso faremos no nosso. Minha dúvida é simples, eu preciso avisar aos convidados que vai ter? É claro que não vou mandar um anexo no convite falando "por favor, leve dinheiro para a hora da gravata", nada disso. Seria mais dar um toque informalmente, comentando que vai ter.  O que eu quero evitar é pegar o convidado desprevenido. Às vezes só o que a pessoa tem na carteira é o dinheiro do táxi de volta para casa e fica constrangido, sem poder dar dinheiro mas querendo participar. 

E vocês, como fizeram/ vão fazer com a hora da gravata? Porque não é comum em todos os casamentos. Como eu disse, nos que eu fui não teve. Então, ao mesmo tempo em que alguns convidados podem estar acostumados com essa prática, acho que vários serão pegos de surpresa. Sugestões?


quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Sobre relacionamentos a distância

Já vi vários textos sobre relacionamentos a distância, e agora decidi falar um pouco sobre a minha experiência. 

Eu já comentei aqui que meu noivo mora em outro país. Para se ter uma idéia, a viagem mais rápida do Brasil para a cidade dele dura 14 horas de voo, dividida em duas etapas de 7 horas. Quando a passagem para ir até lá está 1600 reais eu pulo de alegria de tão barato que está. (Porque é raro ser menos do que 2500).

Quando vejo comentários do tipo "para ver meu namorado eu preciso viajar sete horas de carro, é muito difícil", ou então "moro no Rio e ele em São Paulo, a ponte aérea é complicada" eu juro que tenho vontade de rir. Essas pessoas não sabem o que é dificuldade. Não sabem o que é economizar cada centavo, deixando de sair, de ir a restaurantes, de comprar roupas novas, para conseguir uma passagem. E quando você viaja todo mundo acha que você é "muito chique" porque está indo para o exterior, desconsiderando completamente os sacrifícios que você fez para conseguir a viagem, se esquecendo de que é sua única chance de ver seu namorado uma vez a cada cinco ou seis meses. 

Quem reclama de só conseguir encontrar o namorado duas vezes por mês não sabe a dificuldade que é passar três, quatro, cinco meses conversando só por skype - muitas vezes de madrugada por conta do fuso-horário. 

Entendo que cada caso é um caso, e não quero dizer que quem tem que enfrentar uma ponte aérea nacional todo o mês não tenha seus momentos difíceis. O que eu digo a essas pessoas é: o que eu não daria para estar no seu lugar! 
Não crie problemas onde não há

A reclamação mais comum de quem namora a distância é: "fico com muito ciúmes, porque durante a maior parte do dia não sei onde ele/ela está, o que está fazendo e com quem". Às pessoas que tem esse tipo de pensamento eu digo: termine. Você não está em uma relação saudável, não está fazendo bem ao outro e ele provavelmente não está fazendo bem a você. Se eu fosse do tipo que suspeita do namorado, já teria enlouquecido. Uma relação à distância só funciona quando nenhum dos dois sequer cogita a possibilidade de ser traído pelo outro. E é assim que a minha funciona.

Nós temos muitas dificuldades, sim. Todos os dias. Mas nossas dificuldades se concentram mais na falta que sentimos um do outro e no desejo de estarmos sempre juntos do que no ciúmes. 

Tenha sempre um plano com um calendário definido

Eu defendo que nenhum relacionamento amoroso se sustenta sem um plano em conjunto claro e definido, conforme já mencionei nesse post aqui. E para relacionamentos à distância, o plano dobra em importância. É preciso ter muito claro quanto tempo o casal permanecerá longe e o que fará com que o período à distância se encerre. No meu caso, quando meu noivo se mudou, eu demorei seis meses para decidir que queria ir morar com ele, e nós decidimos que nos casaríamos dentro de um ano. Se um plano desse tipo não puder ser feito rapidamente, pelo menos planejem quando irão se encontrar novamente. Ter sempre uma passagem comprada, sempre um reencontro agendado, é o que faz o relacionamento caminhar. O que atrapalha é ficar meses na expectativa de "se ver quando der", mas não fazer a ocasião acontecer.

Tenha a certeza do que quer e confie

Para um relacionamento à distância dar certo, é preciso muita certeza de ambas as partes, e acima de tudo, muita confiança. E a confiança do casal quando longe não pode ser diferente da confiança quando perto. Se você é do tipo que só confia no namorado quando está do lado, porque assim "pode vigiar", saiba que um relacionamento à distância não é para você. Aliás, talvez nem mesmo o relacionamento na mesma cidade esteja indo muito bem, já que você provavelmente está devendo umas visitas ao psicólogo...

Enfim, namorar a distância é estar sempre de malas prontas. É encontrar o equilíbrio entre viver bem sem o outro ao lado, e não deixar com que a presença dele se torne completamente dispensável. É se lembrar sempre do outro, sem deixar que a saudade a consuma e a transforme em alguém deprimida, incapaz de ser feliz sozinha. É um grande desafio, e garanto que não é para qualquer um. 

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Procurando doces e bolos em Brasília

Estou na fase de fechar os doces e o bolo do meu casamento. Assim, vou postar a minha opinião sobre os poucos lugares que fui para ver se ajudo outras noivas. 

Em primeiro lugar, o preço. Tenho reparado que os doces estão todos na mesma faixa de preço, seja em Taguatinga, seja no Plano. Os bombons variam de 1,60 a 1,80 a unidade. Os bem casados ficam em torno de 2,00 reais Em relação a doces mais sofisticados, aí o céu é o limite. Existem opções que vão de 2,00 a 6,00 reais a unidade. 

Doces infantis

Os doces de festas infantis, como brigadeiro, etc, são muito mais baratos, e eu considero uma ótima opção. É claro que ninguém vai encher uma mesa de casamento de brigadeiro, não é isso, mas contratar pelo menos 200 brigadeiros e mais uns 100 doces de festa infantil pode ser uma boa idéia, já que são doces que todo mundo gosta. Esse tipo de doce costuma sair a 0,80. Alivia o orçamento e é garantia de sucesso de público. 


As doceiras de Brasília - em notas de 0 a 10 (No quesito preço, quanto maior a nota, mais barato é)

Maria Amélia

A mais famosa de todas. Como agora só atende para degustações em um condomínio lá no jardim botânico, eu desisti. Para quem mora lá, ou mesmo no Lago Sul, imagino que seja super conveniente, mas não para mim. Então estou deixando aqui minha indignação com a distância. Afinal, uma rede que tem não sei quantas filiais em Brasília, da Asa Sul a Águas Claras, ter apenas um ponto que oferece degustação (um ponto quase em Goiás, diga-se de passagem), é um absurdo. 

Marina

Também muito famosa, tem a maior variedade de maquetes que vi até agora. 

Atendimento: 8
Doces: 9
Bolos: 8
Bem casado: 8
Preço: 9

Lalé (Alessandra Lazzarini)

Melhor bem casado! Por que? É puro recheio, simples assim. 

Atendimento: 7
Doces: 9
Bolos: 9
Bem casado: 10
Preço: 9

Maria de Fátima

Melhor atendimento e melhores bolos. Eu detesto bolo com a massa encharcada. Os da Maria de Fátima são bem sequinhos, mas fofos e macios, sem ser seco demais. 

Atendimento: 10
Doces: ainda não provei - depois volto com o update
Bolos: 10
Bem casado: não provei
Preço: 8

Por enquanto é isso, quando tiver mais novidades eu atualizo aqui.


Update: Amei os doces da Maria de Fátima. Acabei fechando bolo, maquete e doces da Maria de Fátima, bem casados da Lalé.

E vocês viram que a Marina faliu e deixou um monte de noivas na mão? E foi tipo, um mês depois que me casei. Me deu um arrepio quando vi as notícias e me lembrei que quase fechei doces e bolos lá... Minha solidariedade às noivas que tiveram o casamento estragado por essa empresa. 

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

O vestido das madrinhas e as noivas tiranas

Acabei de assistir a estréia do programa O Vestido Ideal: Madrinhas, do canal pago Discovery Home and Health. Eu já gostava de assistir de vez em quando ao "Vestido Ideal" original, em que o foco são as noivas escolhendo seus vestidos. Nessa nova série, a noiva vai com as amigas em busca do vestido das "bridesmaids". 

Nos Estados Unidos é tradição que as madrinhas (bridesmaids) se vistam todas iguais, ou dentro da mesma paleta de cores, tradição essa que está sendo trazida ao Brasil. Nesse caso, a palavra final sobre o vestido é da noiva, que procura harmonizá-lo com a decoração e com o grau de formalidade da festa. Encontrar um único vestido que agrade tanto à noiva quanto às madrinhas, qualquer que seja a quantidade dessas, com certeza não é tarefa fácil. E fica ainda mais difícil quando uma das partes é exigente demais. Como tenho visto muitas noivinhas querendo adotar essa tradição, acho que não custa nada usar as situações do programa como exemplo do que não fazer.

A primeira noiva havia elegido como tema de seu casamento o pavão e suas cores, logo: azul, verde, roxo... Até aí, sem traumas. A dama de honra, que na cultura americana seria a "madrinha-mor" ou algo assim, foi a grande criadora de caso. Afirmando definitivamente que detestava vestidos longos, a moça fez questão de desaprovar todos os vestidos que a noiva gostava. É claro que noiva precisa ter bom senso, afinal, ela está escolhendo um vestido que nem ao menos irá usar, mas se a madrinha concordou em usar algo escolhido pela noiva, ela deveria tentar ser flexível. 

A segunda noiva era quase um general. Ela contou que havia convidado as madrinhas por e-mail, e que nesse mesmo e-mail havia explicado (leia-se ordenado) exatamente o que queria. As regras da noiva: orçamento de até 500 dólares para o vestido (a ser pago por cada madrinha), todas as madrinhas com penteado baixo, e por aí vai. E quem não gostasse das determinações dela, podia muito bem ir embora. Vamos avaliar com mais calma esse caso. A noiva convida suas madrinhas POR E-MAIL, nem ao menos se dá ao trabalho de convidar pessoalmente, ou por telefone, e ainda quer ordenar cada micro detalhe do visual das moças. Eu passei o programa inteiro me perguntando como aquelas amigas não iam simplesmente embora. 

Voltando ao caso das noivinhas brasileiras. Tenho visto muitas reclamando sobre o visual dos convidados, querendo mandar carta, e-mail, lembretes, enfim, com regras sobre o que vestir e o que não vestir. Meninas, não façam isso. Por maior que seja o medo de alguma moça aparecer com um vestido curto demais, ou algum rapaz de tênis e calça jeans, é muito antipático mandar esse tipo de recomendação aos convidados. É o mesmo que demonstrar falta de confiança nas pessoas. Ah, mas se alguém aparecer assim eu vou ficar muito irritada, vou passar vergonha, a festa vai ficar feia. Minhas queridas, vamos combinar que se vocês não conseguirem aproveitar o próprio casamento por causa da roupa de duas ou três pessoas a coisa está muito feia para o seu lado. E quanto à vergonha, quem vai passar é o convidado, pois é ele quem vai se sentir inadequado ao receber os olhares feios dos outros. E se a roupa da pessoa for assim tão ruim, tire poucas fotos com ela e aproveite mais as fotos em que ela não está. Pronto, simples assim. 

Quanto às madrinhas de vestidos iguais. 

Pense duas, três, quatro vezes se você acha assim tão importante que suas madrinha se vistam da mesma cor, ou com o mesmo modelo. Pedir às madrinhas que usem um vestido de acordo com as cores que você escolheu é o mesmo que transformá-las em parte da decoração da sua festa. Será que isso é mesmo necessário? 

Muitas noivas querem estar no controle de tudo, algumas chegando ao limite da obsessão. Relaxar em alguns pontos pode fazer muito bem à mente e significar um trabalho a menos. 

Se você realmente quiser determinar os vestidos das madrinhas, tente ouvir o que elas têm à dizer e ser flexível, principalmente na questão orçamento. 

Foi convidada para ser madrinha e a noiva está determinando seu vestido? Avalie o modelo proposto e dê sua opinião com delicadeza. Se você não amou o vestido, mas também não detestou, o melhor é usá-lo de boca fechada. Dizer "não gostei muito, mas vou usar" não ajuda ninguém. Deixe para dar opiniões apenas se for solicitada ou se achar o vestido horroroso. A noiva com certeza agradece. 

sábado, 2 de novembro de 2013

O que eu quero no meu casamento

Ontem foi o dia do "não quero", hoje é o dia do "quero":

- Quero que a decoração seja exatamente como sonhei - e como combinei com a decoradora. Sei que ela não vai conseguir ler a minha mente para fazer exatamente igual, mas confio que ficará lindo;
- Quero que meus convidados confirmem presença direitinho. E se quiserem levar mais alguém, que liguem antes e perguntem se pode. Nada de aparecer lá com a namorada do sobrinho do sogro só porque achou que não faria mal levar. Se pedir antes eu até deixo, mas né, olha a educação;
- Quero gente animada e feliz, sorrindo pra valer;
- Quero ter tempo para tirar fotos lindas com o noivo e com os convidados;
- Quero que as pessoas entendam que eu não tenho todo o tempo do mundo. Tenho que dar atenção aos convidados, sim, mas também tenho que comer, beber, dançar e me divertir;
- Quero uma cerimônia bonita e com significado, ainda que seja só civil;
- Quero todo mundo animado para soprar as bolhinhas de sabão na hora da saída dos noivos;
- Quero a mulherada toda animada na hora do bouquet, apesar de ter poucas convidadas solteiras;
- Quero que todo mundo se divirta e que saia com a sensação de que o casamento foi único, e não apenas "mais um". 

Por enquanto acho que é isso. Depois do casamento teremos: o que deu certo e o que não deu!

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

O que não quero no meu casamento

Acho que já pensei bastante sobre esse assunto. Tanto, que jurava que já tinha escrito a respeito. Enfim, estive pensando novamente no que não quero no meu casamento e resolvi fazer uma listinha rápida. A intenção é comparar com o que acontecer no dia e ver o que deu certo e o que não. Vamos lá:

O que não quero no meu casamento:

- Uma cerimônia que ultrapasse meia hora, pra ninguém ficar cansado;
- Convidados entrando na frente das equipes de fotografia e filmagem, querendo tirar suas próprias fotos;
- Convidados atrapalhando as fotografias e a filmagem com os flashes de suas próprias câmeras;
- Celulares tocando no meio da cerimônia; (e o convidado ainda atendendo pra falar "não posso atender, tô num casamento"). 
- Crianças chorando no meio da cerimônia e os pais insistindo em tentar acalmar ali mesmo. Poxa, a criança não tem culpa de chorar, mas a primeira coisa que os pais tem que fazer é sair com ela pra bem longe e acalmar láaaa em outro lugar;
- Penetras;
- Gente reclamando de qualquer coisa: da bebida, da comida, da decoração, do frio, do calor... Não tem elogios para fazer? Cale-se. Deixe para falar mal no dia seguinte, pelas minhas costas, como as pessoas normais fazem;
- Som muito alto, vou pedir ao DJ para ter bom senso;
- Também não quero muito gelo seco, talvez até nem tenha. Detesto aquela fumaçada toda;
- Não quero que os convidados comecem a carregar as minhas flores da decoração à medida que forem saindo;
- Não quero namoradas e namorados recentes dos meus amigos e primos querendo sair em todas as fotos. Imagina o álbum depois cheio de "fulanos" e "fulanas" que ninguém nunca mais viu porque os relacionamentos terminaram?

Acho que é só isso. Bem simples, não é mesmo? Estou pedindo demais? Sinceramente, acho que não. Veremos depois o que aconteceu...




terça-feira, 22 de outubro de 2013

Tô vivona!

Eu sei que sumi ( de novo), mas continuo visitando os blogs e vendo mil coisas de casamentos. Basicamente o que tem acontecido é que, como meu casamento está muito próximo, e como está quase tudo pronto, a sensação de que eu já fiz muito e que não falta nada é muito grande. Mas ainda faltam coisas, várias, inclusive. Então nas próximas semanas preciso me concentrar em resolvê-las. E quem sabe, resolvendo mais coisas, não animo em postar mais aqui? 


terça-feira, 1 de outubro de 2013

Procurando músicas para o casamento: a marcha nupcial

Quando se pensa em casamento, a trilha sonora que vem à cabeça é a Marcha Nupcial. A mais famosa no Brasil é a de Mendelssohn, da suíte de Sonho de uma Noite de Verão. 




A Marcha Nupcial, contudo, está sendo gradualmente posta de lado. E por diversos motivos: porque não combina com o ambiente da cerimônia, porque a noiva acha brega, porque os noivos querem usar uma música que faça parte da história do casal, etc. O fato é que alternativas à Marcha Nupcial vêm sendo cada vez mais procuradas. 

Marcha Nupcial de Wagner

A Marcha Nupcial de Wagner não é tão usada no Brasil, mas quem nunca viu um filme de casamento com ela? 




Marcha Nupcial + Musiquinha romântica

Nos últimos casamentos que fui - e em muitos vídeos de casamento que tenho visto -, as noivas têm optado por utilizar em sua entrada uma combinação do início da Marcha Nupcial com uma música de sua preferência. Os primeiros acordes da Marcha chamam a atenção dos convidados, tocando durante a abertura das portas da igreja / salão. Quando a música muda, a noiva começa a caminhar. Essa opção não me agrada, pois para que a Marcha Nupcial tenha efeito é preciso tocar quase um minuto dela, o que acaba deixando a noiva parada na porta da igreja esperando para caminhar. Isso passa uma sensação estranha de que a noiva esqueceu o que era pra fazer. Uma paradinha de 10 segundos antes de caminha é válida, até mesmo para as fotos, mas quase meio minuto parada não dá. "Anda, minha filha!" - os convidados querem gritar. Mas é a minha percepção, tem gente que adora. 

O estilo do meu casamento não combina nada com as marchas nupciais, nem de Mendelssohn, nem de Wagner. Assim, estou procurando alternativas legais para a entrada, mas isso é assunto para o próximo post.

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Um alerta às noivas blogueiras

Vestido de noiva pode ter CAUDA.

CALDA pode ser de caramelo, de chocolate, de morango.... Mas cuidado que se botar no vestido meleca.

E lembrem-se: na dúvida, antes de escrever procure um dicionário.

Essa calda não acompanha vestido de noiva, só sorvete.
Sem mais.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

A entrada dos noivos: com quem entrar?

Este post é dedicado ao meu noivo. Eu ia só mandar as fotos de referência pra ele, mas resolvi fazer logo o post. 

Nós estávamos conversando ontem mesmo sobre o nosso cortejo. Ele tinha pensado em entrar com a mãe 
e o pai, mas agora já não tem tanta certeza. 

Tradicionalmente, o noivo entra com sua mãe e a noiva com seu pai. Eu particularmente acho lindo a noiva entrando com o pai. Como cada família tem uma história, algumas vezes os noivos precisam resolver situações como a ausência dos pais (seja por falecimento, seja por brigas), ou o amor intenso pelos dois pais, que faz com que os noivos queiram homenageá-los, entrando com pai e mãe. 

Antigamente, na falta do pai a noiva procurava um irmão, tio ou padrinho para entrar. E o noivo, na ausência da mãe, também poderia convidar uma irmã, tia ou madrinha. Atualmente as pessoas têm feito do casamento uma cerimônia cada vez mais particular, em que noivas entram sozinhas ou com a mãe na ausência do pai. O noivo também pode entrar sozinho ou com o pai e a mãe, noivo entrando só com o pai eu confesso que nunca vi. 

Situações de falta de pai ou mãe não costumam ser muito difíceis de resolver. A questão que me parece mais complicada é quando os noivos querem mais de uma pessoa para a entrada, formando um trio. 

Não me entendam mal, eu acho que a felicidade é a coisa mais linda do mundo e que cada um casa como quer. PORÉM, eu acho esteticamente muito feio o noivo ou noiva entrando com duas pessoas. Eu sinceramente acho que, se você quer homenagear seu pai ou sua mãe que não entrarão com você, você pode fazer isso de dezenas de outras formas.

Muita gente justifica a entrada com pai e mãe dizendo que os dois foram igualmente importantes em suas vidas. Concordo mas discordo. Meu pai e minha mãe foram igualmente importantes na minha vida, mas de forma diferente. Meu pai sendo meu pai, e minha mãe sendo minha mãe. Levar a noiva ao altar é papel do pai (nesse ponto sou bastante tradicional). Minha mãe teve, tem e terá outros papéis na minha história de vida, mas me levar ao altar não é um deles.

Mas, deixando o emocional de lado, vamos ver o aspecto estético da entrada com três pessoas:

Desvantagens dos noivos entrando com duas pessoas (casal de pais, casal de avós, etc):

- É preciso mais espaço no corredor, principalmente no caso da noiva (o vestidão ocupa bastante espaço). Se o corredor não for muito largo, o trio pode ficar muito espremido ou acabar até esbarrando na decoração. Imagina que feio!
- Os noivos ficam "escondidos" no meio de duas pessoas, assim as fotos laterais podem ficar prejudicadas, bem como a visão que os convidados tem dos noivos.
- Os noivos entrarem "enganchados" em duas pessoas passa uma sensação estranha de que eles não dão conta de caminharem até o altar se não forem carregados. 
- Três pessoas de braços dados dão a sensação de "correntinha", ao passo que dar as mãos dá a sensação de infantilidade.
- É mais difícil coordenar o passo, já que os três tem que caminhar ao mesmo tempo. 

Algumas fotos de referência. (Observem bem as fotos e verifiquem a impressão estética que elas causam a vocês. Optei por cobrir o rosto para tentar preservar um pouco a privacidade das pessoas.) 

O corredor ficou estreito para três
Mais um corredor estreito. Reparem que a mãe vai batendo nas flores da decoração ao passar. Nessa hora, é melhor planejar a decoração com antecedência para que ela se adeque à passagem de três pessoas.
Esse corredor está largo e espaçoso. O planejamento da cerimônia levou em consideração que por ali passariam três pessoas e deu tudo certo. (Mas eu ainda acho estranho o noivo andando com as duas mãos "presas")
Algumas igrejas não permitem alterações na disposição dos bancos. Reparem como esse corredor é estreito até mesmo para duas pessoas e sem decoração. Imagina três?
Aqui parece que a mãe não conseguiu acompanhar o ritmo e ficou um pouco atrasada. 
Noiva que entra com dois homens. De todas as combinações, a menos esquisita na minha opinião.

Vantagens dos noivos entrando com duas pessoas (casal de pais, casal de avós, etc):

- A única vantagem que eu vejo é a da homenagem mesmo. É demonstrar que as duas pessoas que estão ao lado dos noivos são igualmente importantes na vida deles. 

- No caso dois noivos terem dois pais ou duas mães (casais homossexuais): aí vale entrar com os dois, afinal, não deve ser fácil "escolher" um.

Enfim, depois de tudo isso, eu destaco: não estou fazendo campanha contra a entrada em trio, nem quero mudar a opinião de ninguém, estou apenas expressando a minha. Se é isso que você quer para o seu casamento, manda ver! A minha opinião é que o papel de pai cabe ao pai, e o papel de mãe cabe à mãe. Se você é filho de mãe solteira e ela foi pai e mãe pra você, entrar com ela na cerimônia é um lindo reconhecimento. O mesmo vale para pais que foram verdadeiras mães, padrastos que foram verdadeiros pais, etc.

Para não dar errado: verifique se o corredor é largo o suficiente e comunique o decorador! Também comunique as equipes de fotografia e filmagem para que eles se posicionem adequadamente. 

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Iniciando o registro de casamento no cartório

Iniciei o registro do meu casamento no cartório. Sim, agora eu vou casar mesmo. Então o post de hoje será sobre como se preparar para esse momento. 

150 dias antes do casamento: descubra em qual cartório você fará o registro e verifique as regras. Procure informações no site do próprio cartório, e se as informações não estiverem claras, telefone para o cartório. Não procure informações sobre documentos e prazos em sites de casamento e blogs, porque estes podem estar desatualizados. É nessa hora que você descobre quando entrará com o processo de registro, se 120 ou 90 dias antes do casamento.

15 dias antes de levar os documentos ao cartório:

Descoberta a data para o início do processo, verifique a relação de documentos necessários no seu caso (casamento de solteiros, viúvos, divorciados, ect). Se o cartório tiver um site falho, telefone para lá e pergunte. Eu acho que liguei umas cinco vezes para o cartório perguntando coisas. É nessa hora que você deve procurar todos os documentos necessários e juntá-los em uma pasta. Assim, caso não encontre qualquer documento, terá tempo de pedir uma segunda via. 

Não esqueça de verificar quantas testemunhas serão necessárias. Convide testemunhas confiáveis, pois elas precisarão estar presentes no dia do casamento também. Aproveite para combinar com elas o dia e o horário da ida ao cartório.

Aproveite para verificar os custos do registro. Eu me esqueci de ver isso antes e na hora tivemos que pagar mais de 600 reais. Melhor ligar para o cartório e perguntar preço e formas de pagamento com antecedência. 

2 dias antes de levar os documentos ao cartório:

Revise sua pasta de documentos e tire todas as cópias necessárias. É melhor tirar com antecedência em lugares que cobram barato do que deixar para tirar na hora em locais próximos ao cartório, que cobram o olho da cara.

1 dia antes de levar os documentos ao cartório:

Verifique se o site do seu cartório possui a opção de cadastro online. O cadastro online agiliza seu processo e permite a obtenção de uma senha rápida, ou seja, menos fila. Só não sei dizer se todos os cartórios fazem isso.

Aproveite para determinar como ficará o nome dos noivos após o casamento. Chegar ao cartório sem ter uma conclusão sobre esse assunto é garantia de mico. Imagina os noivos discutindo isso no meio do cartório com todo mundo olhando? Essa questão dos nomes é muito pessoal e íntima, converse com seu noivo em particular bem antes de ir ao cartório, e cheguem lá decididos. 

No dia:

Tenha em mãos os telefones celulares das testemunhas, e não esqueça de carregar a bateria do seu!

Também tenha em mãos o telefone da cerimonialista, pois o pessoal do cartório pode perguntar.

Se sua cerimônia de casamento for só civil fora do cartório, não se esqueça de pegar informações sobre o juiz de paz, afinal, ele será o oficiante do seu grande dia! Pergunte se ele é bem-humorado e se aceita que as noivas telefonem para ele para combinar a cerimônia. Tem juiz que adora receber ligação dos noivos para conhecê-los melhor e combinar tudo. Anote o telefone dele.

Por fim, controle as emoções! O primeiro grande passo do seu casamento será dado! 


Update:

Respondendo aos comentários: Eu entrei com o processo no cartório do 2º ofício de Brasília, na 504 Sul.
As taxas que paguei são:

- Habilitação para Casamento
- Escrevente
- Casamento civil fora do local do cartório (a mais cara das três).

Ou seja, o alto valor se refere basicamente à ida do juiz ao local do casamento. Eu acho que casamentos no cartório são mais baratos. Por isso eu falo: telefonem para o cartório de vocês e perguntem!

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Lidando com o orçamento e relações de poder: quando a família vai pagar

A maior dificuldade dos noivos ao organizar uma festa de casamento é o orçamento. Quando os noivos decidem pagar pela própria festa, a dificuldade se concentra em levantar o dinheiro e organizar as finanças. Quando é a família que se oferece para pagar, a dificuldade fica em estabelecer relações de poder na organização. Ou, usando as palavras exatas, definir quem manda no casamento. 

O meu caso é perfeito para servir de exemplo. Logo de cara meus pais se prontificaram a me oferecer uma festa de casamento. Eles estipularam um valor máximo que poderiam alcançar, colocando também as expectativas que tinham para o evento: um espaço confortável para os convidados e um serviço de qualidade, priorizando a boa comida. Feitas essas considerações gerais, eles foram generosos o suficiente para deixar todas as escolhas por minha conta e do noivo, dando quase nenhuma opinião não-solicitada. Para meus pais, a festa de casamento é dos noivos e deve, acima de tudo, ser do nosso agrado.

Os pais do noivo tem outro raciocínio. Eles também se prontificaram a pagar, querendo dividir a festa igualmente. Para eles, contudo, a festa de casamento é uma festa dos pais para os noivos, o que significa que, em última instância, os "donos da festa" são os pais. Como meus sogros são pessoas muito ocupadas, quase não tem tempo de ajudar com as questões práticas do casamento - apesar de quererem muito -  e como o noivo mora fora, a organização acabou caindo toda pra mim. Eu combino tudo com o noivo, assim o casamento fica do nosso jeito. Como os pais dele são tranquilos, acho que já entenderam que a idéia de que os pais são os donos da festa não cola com a gente. É claro que nós escutamos as opiniões - sejam elas solicitadas ou não - mas a decisão de atendê-las é nossa. 

É preciso diálogo

Alguns noivos, contudo, não tem a sorte de terem pais tão tranquilos quanto os nossos. Muitos noivos, inclusive, preferem se desdobrar em 20 para pagar a própria festa, podendo assim fazer tudo realmente do seu jeito. Escapar da relação "dinheiro é poder" é difícil em qualquer situação, e na organização de uma festa de casamento não é diferente. Muitos noivos quando não estão pagando não se sentem à vontade de fazer valer sua opinião. E ao mesmo tempo, muitos pais quando estão pagando se sentem os "donos da festa", querendo até mesmo impor vontades e opiniões. 

A tensão entre as expectativas reprimidas dos noivos e as decisões impostas pelos pais pode se tornar insustentável. Para que isso não aconteça, é preciso muita conversa logo no início dos preparativos. Tanto se os pais se oferecerem para pagar de livre e espontânea vontade, quanto se os noivos pedirem a contribuição, é preciso ver quais são as expectativas de cada um em relação ao evento. Não adianta os noivos quererem um casamento pequeno, estilo mini-wedding, se os pais querem convidar até os primos de 5º grau. Por outro lado, os noivos não podem querer um festão para 300 convidados se os pais só podem bancar 150. Estabelecer um número de convidados que agrade a todos - bem como um teto de gastos - é a primeira coisa a ser feita. E ambos os lados tem que saber ceder, é claro. 

Mas afinal, quem manda "mesmo"?

Na minha opinião, se os pais optaram por presentear os noivos com os meios para fazer uma festa, o presente está dado. Quando damos um presente a alguém, não dizemos a essa pessoa o que fazer com ele. Não é da sua conta se a pessoa vai levar o presente até a loja e trocar por outra coisa. O mesmo funciona com dinheiro, se é dado de presente, é dado. Não se mete o nariz se não for chamado. Isso vale em dobro para quem paga mas não ajuda. Não adianta nada se oferecer para pagar o casamento se você não tem nem cinco minutos do seu dia para ligar para aquele buffet que você sugeriu e quer porque quer que os noivos experimentem. É muito fácil pagar, não ajudar a pesquisar, a marcar horário, a nada, e depois dizer "não era bem isso que eu queria, seria melhor aquela outra opção".

É claro que um casamento mexe com emoções muito profundas e é claro que aos pais sempre se deve respeito. Mas os pais também devem respeitar os noivos. Determinar coisas só porque "estão pagando" ou fazer chantagem emocional é uma tremenda falta de respeito. Noivos, se perceberem que é esse o caso, corram. Ceder um pouco é saudável, mas se perceber que estão sendo deixados de lado em favor da opinião alheia (mesmo que seja dos pais), deem um basta na situação! Sem brigar, apenas explicando o lado de vocês: que é o casamento de vocês, oportunidade única na vida, e que vocês tem grandes desejos e expectativas para esse dia.

Dicas para evitar conflitos

Se seus pais ou os pais do noivo (ou ambos) se ofereceram para pagar a festa, o mais importante é deixar claro para todos que a palavra final é dos noivos, que os dois estão e estarão em perfeita sintonia entre si para decidir o que lhes deixará mais felizes no grande dia. O segundo passo é estabelecer o comprometimento de que os noivos nunca fecharão um contrato sem o conhecimento dos pais. Apresentar diversos orçamentos a quem estará pagando e perguntar se a despesa cabe no bolso é uma atitude mínima de respeito. Afinal, se os noivos não querem se endividar para pagar festa de casamento, os pais muito menos, não é?

Delegue tarefas e faça as pessoas se sentirem incluídas. Escolha um item que você não faz questão de decidir pessoalmente e peça para os pais resolverem por você. Eles irão sentir que suas opiniões são valorizadas e que estão ajudando. No meu caso, pedi para meu pai e meu sogro irem nas degustações dos buffets e escolherem o favorito. Os dois tem o paladar muito mais exigente e entendem muito mais de comida do que eu. Então por que não? Deu super certo. Pena que minhas outras tentativas de incluir os sogros não deram certo porque eles simplesmente não tem tempo, mas enfim...

Se mostrem dispostos a ouvir opiniões, mas saibam dizer "não" quando não concordarem com alguma coisa. Tranquilamente, sem brigar.

A parte mais difícil pode ser em estabelecer o tamanho da festa. Se você quer uma festa intimista com apenas 70 pessoas, mas seus pais querem convidar até a tia Gorete do Cabrobó, desapegue e esqueça. Nessa hora, eles "estão pagando" mesmo. O que não pode acontecer é os convidados dos noivos serem cortados em favor dos convidados dos pais. A festa ainda é dos noivos. Nessa hora, tente explicar que a festa de casamento é um celebração do amor de vocês e que vocês não querem estar cercados de parentes distantes que nunca viram na vida, ou colegas de trabalho deles que só entraram na empresa há dois meses. Mantendo os convidados dos noivos como maioria, o resto está tudo certo. Ah, e um certo respeito pelo tamanho de cerimônia desejado também é legal, ok senhores pais? Nada de impor uma festa para 300 pessoas se os filhos só querem 70... Que tal entrar em um acordo com 150?

Por fim, tratar de dinheiro não costuma ser fácil, mas se todas as partes envolvidas se tratarem como os adultos que provavelmente são (ninguém aí está querendo casar antes dos 18, né?), tudo dá certo.

E vocês, como estão resolvendo os assuntos financeiros da festa de casamento?

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Seu casamento não é o seu matrimônio

Em inglês existem duas palavras distintas para se referir ao casamento. "Wedding" se refere à cerimônia e à festa, quando há. Já "marriage" se refere ao matrimônio em si, ou seja, à vida de casados. Por isso que em inglês se costuma dizer "your wedding is not your marriage" (seu casamento não é o seu matrimônio). Em português a palavra matrimônio não é tão usada no dia-a-dia, tanto que chamamos as duas situações, a cerimônia e a vida de casados, de "casamento". 

Essa questão de vocabulário pode parecer superficial, mas a importância de pensar separadamente no casamento "wedding" e no casamento "marriage" é altíssima. Para o benefício desse texto, Vamos separar a "festa de casamento", que representa um dia só na vida, e o "casamento", que representa uma vida inteira. 

Vejo muitas noivas (e noivos) empolgadas com a festa de casamento, preocupadas com os detalhes, e muitas vezes brigando com seus companheiros e familiares por causa desse bendito dia. Sim, é um dia de sonho para muitas, e querer que tudo saia perfeito é natural. O que não é natural é deixar que a festa de casamento tome dimensões maiores do que o casamento. Seguindo o que dizem os americanos, a sua festa de casamento não é o seu casamento, ela não define o seu casamento. 

Então, entre uma escolha de sabor de bolo aqui e uma reunião com seu DJ ali, pare para pensar um pouco em como anda a sua relação e como ela se transformará após a cerimônia que os unirá (espera-se) para toda a vida. E antes de se descabelar porque seus convites não saíram milimetricamente como você queria, ou perder o humor porque não vai conseguir bancar a melhor banda da cidade, lembre-se de que a festa é um dia na vida, enquanto o casamento é uma vida inteira. 

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Encontrei meu sapato

Encontrei meu sapato! Dispensei as lojas específicas de sapato de noiva porque não aguentava mais ver sapato forrado em cetim (me perdoe quem gosta). E também porque sapato de noiva é uma coisinha cara (como tudo para casamentos, não é? É só falar que é noiva que o preço dispara). 

Passei uma tarde inteira visitando várias lojas de sapatos até que encontrei o meu na Santa Lola. O sapato é lindo, mas muito diferente dos modelos que tinha pensado antes. Acabei desistindo de encontrar meu mega sapato por dois motivos: um, mega sapatos são difíceis de encontrar; dois, mega sapatos costumam ser muito caros. Assim, quando encontrei um sapato bonito, elegante e que tenho grandes chances de conseguir usar de novo depois, eu já soube que seria ele. 



 Algumas considerações sobre o sapato de noiva ideal

Em primeiro lugar, o sapato de noiva ideal é aquele pelo qual você se apaixona. O gosto é seu e pronto. 

Em segundo lugar, pensar em alguns detalhes pode ajudar a fazer a escolha certa.

- Pense no comprimento do seu vestido: se o vestido for curto, o sapato aparecerá mais (óbvio). Se for comprido, aparecerá menos. Se seu vestido for curto, redobre a atenção no sapato!

- Se o seu vestido for branco, usar um sapato off-white pode passar a sensação por contraste de que o sapato está sujo. 

- Não use sapato colorido só porque está na moda. Pense se esse estilo combina com você e se combina com o vestido. Vestidos mais clássicos e tradicionais não costumam ficar muito bem com sapatos coloridões (vermelhos, roxos, etc).

- Pense no local da sua festa. Será ao ar livre? Você precisará caminhar na grama ou na terra? Ou será apenas um salão fechado?

- Saiba se você aguenta o salto antes de comprar. Se para uma convidada tirar o sapato no meio da festa já é feio, para uma noiva então, é imperdoável! Tenha a certeza de que você aguenta uma festa inteira em cima do sapato que escolher. Se não for acostumada, prefira saltos mais grossos e menores. 

Enfim, esses foram alguns pontos que levei em consideração. Alguém tem mais dicas para a escolha do sapato?

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Vestidos de noiva coloridos: saindo do tradicional


Mais um post hoje para tentar animar o dia.  

Uma coisa que fiquei em dúvida foi quanto à cor do meu vestido. Muitas noivas já pensam automaticamente no branco, mas eu tenho que confessar que fiquei tentada a usar um colorido. Como meu casamento será somente civil, o vestido colorido combinaria bem. No final acabei escolhendo um vestido branco mesmo, porque me lembrei de que seria a minha única oportunidade na vida de me vestir assim. Se por acaso acontecer de eu me casar de novo (acho praticamente impossível, mas a vida é imprevisível), ou em uma cerimônia de renovação de votos no futuro, eu posso usar um vestido colorido. 

Algumas idéias de vestidos coloridos. 

Fonte

Fonte
Fonte
Fonte
E por último, uma das mais ousadas cores para vestido de noiva: vermelho

Fonte

Segunda-feira difícil

Segunda-feira costuma ser um dia difícil pra todo mundo. Eu tento não reclamar, mas hoje acordei me sentindo a fonte dos problemas do mundo. Porque sim, eu tenho o péssimo hábito de achar que tudo que dá errado para as pessoas à minha volta é culpa minha. Algumas vezes é, outras não. O fato é que se uma coisa, por menor que seja, dá errado, eu já me sinto um lixo. 

É  por isso, inclusive, que não vejo a hora de me casar e mudar de cidade, porque acho que aqui eu já não me encaixo mais. Preciso começar de novo. Novas relações, sem os erros de relacionamento do passado. Tudo novo para poder ser uma pessoa melhor sem errar ao lidar com os outros. É mais fácil começar relações novas do que emendar ou manter as antigas. É mais fácil mudar de hábitos em outro ambiente. 

Enfim, prometo que não queria fazer um post depressivo, mas precisava falar o que estava pensando. Em breve voltaremos com nossa programação normal. 

sábado, 7 de setembro de 2013

Casamentos de Sangue Bom

Toda a novela tem que ter pelo menos um casamento. A atual novela das 19h, Sangue Bom, nos brindou com dois recentemente. Todo o visual da novela tem sido bem moderno, e a duas personagens a se casarem, Amora (Sophie Charlotte) e Charlene (Mayana Neiva), são donas de estilos próprios bem marcantes. A figurinista da novela, Helena Gastal, caprichou nos vestidos das duas. Os dois vestidos são muito românticos, mas por características diferentes. Vejam só:

O vestido de casamento da personagem Amora.

O noivo também muito elegante. Ótima inspiração para casamentos diurnos.
O vestido de casamento da personagem Charlene.

Detalhe do véu de Charlene, com flores em crochê. 
Adorei o cabelo da Amora, mas penso em usar voilette. Essa combinação de véu e voilette da Charlene eu nunca tinha visto. É bem diferente, mas é ousada, não é qualquer noiva que dá conta. Boas inspirações, não é mesmo?

As fotos foram retiradas do site globo.com. 

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Photo Booth: será que faço a minha?


Photo Booth, ou cabine fotográfica, é uma das poucas modinhas de casamento que eu admito que gosto. Queria contratar uma, mas não estou afim de deixar dois mil reais nisso (que foi o orçamento que eu vi). Fui buscar na internet inspirações para fazer a minha própria cabine sem gastar muito e encontrei coisas bem legais.

O essencial para a cabine é ter um fundo, que pode ser um tecido pendurado, ou uma parede enfeitada. Depois é só ser criativo com os acessórios e pronto. 

Qual a grande dificuldade disso? A câmera. 

A cabine alugada já vem com uma câmera (obviamente), mas quando você monta sua própria cabine tem que pensar em como fornecer uma câmera aos convidados.

Uma opção é conseguir um tripé, prendê-lo muito bem ao chão para que ninguém o derrube e colocar sua própria câmera à disposição. Eu tenho uma câmera DSLR, mas morro de medo de que alguém derrube uma bebida em cima, deixe cair ou faça a burrice de colocar o dedo na lente (mesmo com filtro, tenho medo). Outro problema é o cartão de memória da câmera, que às vezes trava e provavelmente o pessoal precisaria de supervisão para lidar com isso. Ou seja, deixar minha câmera xodó à disposição de mais de 150 pessoas está fora de cogitação. 

Outra opção é fornecer o cenário e deixar o pessoal se divertir com suas próprias câmeras e celulares. Provavelmente é isso que vou fazer. Gostaria de pensar em pelo menos uma forma de iluminar bem as fotos, porque flash de câmera compacta e de celular não deixa as fotos bonitas como fotos de cabine devem ser. Ainda vou ter que pensar muito sobre como (e se) vou fazer isso. 

Encontrei umas fotos para inspirar o cenário. 

fonte

fonte

fonte

fonte



quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Não ligava, agora quero: cabide especial para o vestido

Uma coisa que sempre achei bobagem é o tal do cabide personalizado para o vestido da noiva. Até que eu me dei conta de que quero uma foto do meu vestido bem lindo pendurado e aí... tem que ter um cabide pelo menos bonitinho, né? E opções de cabides bonitinhos existem várias. Uma que está muito na moda é o cabide com o nome dos noivos, ou alguma outra coisa, "escrito" em arame. 




Acho essa idéia super fofa, mas tenho uma tendência a ser anti-coisinhas da moda. É, o que todo mundo tem/quer é justamente o que eu não tenho/ não quero. 

Além do cabide com arame, temos também os cabides forrados e os cabides coloridos. 

Esses são particularmente lindos. Fonte





Uma opção que achei muito moderna é a de acrílico personalizado. (Só tenho o receio de não fazer muito efeito na foto...)



Para maiores efeitos fotográficos, o acrílico pode ser colorido (o que pode ficar muito bom ou muito brega. Acrílico é um negócio perigoso):



E não podemos esquecer do cabide de madeira personalizado. (Não achei foto legal #chatiada). 

Difícil dizer qual prefiro. Gostei da modernidade do acrílico, acho que combina muito comigo, PORÉM, é como já comentei: acrílico é um negócio perigoso. Ou fica muito bom, ou fica muito brega. 

E vocês, alguém já tem o cabide decidido ou comprado? 

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Faltam 4 meses!

Faltam apenas quatro meses e pensar nisso dá até um pouco de falta de ar. Não só pela festa de casamento em si, mas por todas as mudanças de vida que acontecerão a partir daí. 

Enfim, para marcar a data, fiz um checklist das coisas que estão faltando:

1 - Dar a entrada no cartório! 
2 - Convites
3 - Doces e bolo
4 - Ajustes no vestido da noiva + sapato da noiva
5 - Contratar equipe de som, iluminação e DJ
6 - Convites dos padrinhos, daminhas e pajens
7 - Fechar o cardápio do buffet (uns 30 dias antes)
8 - Decidir as músicas da cerimônia
9 - Contratar gerador
10 - Contratar a equipe de limpeza
11 - Comprar os vinhos e espumantes

Ufa! Até que não falta muito! Ver tudo assim escrito dá muita tranquilidade. Me planejei desde o início para ter o último mês mais livre, até porque será dezembro, mês muito cheio com Natal e todas as festas. E me caso dia 4 de janeiro, ou seja, é Natal, Réveillon e pá! Casamento! tudo praticamente emendado. Não tem como deixar coisa pra última hora meeeesmo.  

Difícil acreditar que falta tão pouco!